domingo , 25 Fevereiro 2018
Home / Minas Gerais / Coluna Minas Gerais 26/01/2018

Coluna Minas Gerais 26/01/2018

COLUNA MG

Rede de Notícias do Sindijori MG

www.sindijorimg.com.br

 

Telefonia fixa em queda em Caratinga

            De acordo com dados divulgados pela Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel), no mês de novembro de 2017, a telefonia fixa registrou 40.862.847 linhas em serviço, menos 135.964 linhas em relação à outubro (-0,33%). Em Caratinga e região o cenário também foi de queda considerando a comparação de 2016 e 2017. Segundo a Anatel, Caratinga terminou novembro de 2017 com 9.420 telefones fixos em serviço. Se comparado a outubro do mesmo ano houve um aumento de 0,3%. Já considerando novembro de 2016, quando o número de telefones fixos em serviço era de 10.032, a queda foi de 6,1%. Já em relação a telefonia fixa individual (sem considerar os chamados orelhões), foram 9146 em serviço em novembro do ano passado e 9756 em 2016. Ou seja, 6,25% a menos de telefones em serviço entre novembro de 2016 e novembro de 2017. (Diário de Caratinga)

 

Cesta básica começa ano com aumento

            O Procon/Poços divulgou nesta quarta-feira, 23, a nova pesquisa de preços dos produtos que compõem a cesta básica. O levantamento foi realizado na terça-feira, 22, em nove supermercados da cidade. De acordo com a pesquisa os preços dos produtos da cesta básica subiram 1,50% em relação à pesquisa realizada no dia 22 de dezembro de 2017. Entre os produtos com maior aumento registrado estão o tomate (R$ 2,4/kg9), a maçã (R$ 1,00/kg), a goiabada (R$ 0,54/500g), o álcool gel (R$ 0,68/500g) e o desinfetante (R$0,38/ 500ml). (Jornal da Cidade – Poços de Caldas)

 

Médicos em Timóteo anunciam greve

            Devido aos salários em atraso, os médicos do Hospital e Maternidade Vital Brazil/São Camilo, em Timóteo, anunciam um plano de greve a partir desta sexta-feira, 26. O hospital passa por dificuldades financeiras devido à falta de repasses do governo estadual, por meio do Sistema Único de Saúde (SUS). De acordo com um médico do hospital, que preferiu não ter o nome divulgado, os salários deles estavam atrasados há quatro meses, mas a Sociedade Beneficente São Camilo, mantenedora do Vital Brazil, pagou na terça-feira (23) uma parcela atrasada, restando três agora. (Diário do Aço – Ipatinga)

 

Administração cadastra empreendedores

            A Prefeitura de Araxá, através da Secretaria Municipal de Desenvolvimento Econômico, Turismo e Inovações Tecnológicas, está cadastrando todos os estabelecimentos com atividades econômicas ligadas ao turismo. O objetivo desta ação é conhecer empreendedores que atuam, por exemplo, nos ramos de açaí, agência de viagem, artesanato, bares, bebida, cachaça, café, casas noturnas, cerveja artesanal, culinária oriental e outras, doce, hospedagem, lanchonete, lembrança, padaria/quitanda, pastelaria, pizzaria, produto orgânico, queijo, restaurante, sorvete e demais empresários integrados à atividade turística. (Diário de Araxá)

 

Epamig abre vagas para formação

            Estão abertas, até o dia 2 de fevereiro, vagas para o curso Técnico em Agropecuária, oferecidas pelo Instituto Técnico de Agropecuária e Cooperativismo (Itac), da Empresa de Pesquisa Agorpecuária de Minas Gerais (Epamig). Criado em 1990 e sediado em Pitangui, no Território Oeste, o Itac conta com a infraestrutura do Campo Experimental da Epamig para a realização das aulas. O curso é voltado para a formação de técnicos em gestão do agronegócio, cooperativismo, apoio à pesquisa agropecuária e demais atividades agrícolas. São 70 vagas oferecidas, nas modalidades concomitante, com duração de três anos. O valor da matrícula é R$ 90 e não há processo seletivo. O início das aulas está previsto para 5 de fevereiro. (Portal Agora – Divinópolis)

 

Professor é selecionado para programa

            A Secretaria de Desenvolvimento Econômico, Ciência, Tecnologia e Ensino Superior de Minas Gerais (Sedectes) divulgou o resultado da seleção de professores para o edital do programa Startup Universitário, parte do programa Minas Digital. O Professor Rodrigo Lacerda Sales, da Unidade Leopoldina (CEFET-MG), foi selecionado entre as mais de 500 inscrições, de todas as partes do estado. O programa selecionou 100 professores de instituições pública e privadas de ensino superior de Minas Gerais. Por meio dos educadores, o programa pretende apoiar até 100 startups de universidades na criação de protótipos e ambientar 34 espaços de ideação nos campus das instituições dos professores selecionados no edital. (Leopoldinense)

 

Muriaé terá recursos para saúde

            As sessões extraordinárias da Câmara de Muriaé comandadas pelo novo presidente Ademar Camerino resultaram na aprovação de recursos na ordem de R$ 6.8 milhões para a área de saúde, na autorização do convênio da Prefeitura com a Associação dos Municípios da Microrregião do Médio Rio Pomba – AMERP e, em algumas alterações na área de recursos humanos do Executivo e Legislativo Municipal. A inclusão do município na Amerp e os projetos destinados a abertura de crédito adicional foram aprovados por todos os vereadores presentes e os recursos para a área de saúde serão distribuídos para Fundação Cristiano Varella; Hospital São Paulo; Postos de Saúde do Município e Apae/Muriaé. (Gazeta de Muriaé)

 

 

Cia Fofocas de Teatro é destaque em festival

            O grupo de teatro da cidade de Barroso que pelo segundo ano consecutivo se destacou entre as atividades do Festival de Férias de São Gonçalo do Rio das Pedras, o evento que completou sua vigésima primeira edição aconteceu entre os dias 15 a 20 de janeiro no distrito pertencente à cidade de Serro. A Companhia se apresentou com o espetáculo infantil “A Filha do Mar” com direção de Cláudio Severo, abrindo a programação do festival. O espetáculo emocionou o público presente que aplaudiu de pé a apresentação dos barrosenses. “Fazer parte de um evento que reúne artistas e a comunidade em São Gonçalo foi uma experiência incrível, uma gente simples e humilde que valoriza a arte local, isso nos deixou muito feliz. (Jornal Primeira Página – Barroso)

 

 

 

DA NOSSA INDUSTRIA

 

Stefan Salej

Nesta semana, a Câmara de Comércio Exterior, subordinada ao Ministério de Desenvolvimento, Indústria, Comércio, etc., deve decidir sobre a sobretaxa à importação de aço da Rússia e da China. As importações desses dois países têm prejudicado sobremaneira a indústria brasileira, principalmente a CSN e a Açominas, além da Usiminas. Os produtos daqueles dois países estão entrando no mercado brasileiro com preços aviltados, resultado de seus subsídios e jogos cambiais. Existe uma super produção de aço no mundo e o caminho é a exportação,  inclusive para o Brasil, onde após vários anos de queda do consumo e preço, no ano passado a indústria automobilística cresceu e o consumo melhorou.

 

Existem todas as razões e lógicas para o Brasil, um país produtor de jabuticabas nas políticas e regulamentos de comércio exterior e similares, proteger sua indústria. Assim fazem todos os países do mundo. Inclusive  a China, Rússia e Estados Unidos, especificamente no caso do aço. Mas, por outro lado, poderosos lobbies da indústria automotiva e de eletrodomésticos se reuniram para pressionar governo para que ajude a quebrar a indústria de aço no país e, em especial, em Minas. Esse segmento industrial  não tem compromisso a longo prazo e não consegue um diálogo na linha da corrente de suprimentos, supply chain, com os produtores de aço. E aí entra um pequeno detalhe esquecido na história: enquanto a cadeia produtiva de automóveis e linha branca é totalmente de capital estrangeiro, a indústria siderúrgica ainda pertence ao capital brasileiro. Ou seja, de um lado um que precisa mostrar  lucros rápidos, e outro que fica no país em um investimento de longo prazo. E, no meio, há falta de diálogo para construir um modelo de negócios que atenda aos dois.

 

Para aumentar a complexidade, temos que adicionar o setor de minério, que alimenta pelo menos a indústria siderúrgica chinesa, porque os russos têm uma cadeia siderúrgica parecida com a nossa, ou seja, do minério ao produto final.

 

Mas, ainda há exportadores de frango para China e de carne bovina para Rússia que estão dizendo que, se sobretaxar o aço deles, eles vão deixar de comprar nossos produtos. E  para a confusão ser total, a China quer ser economia de mercado na OMC e o Brasil não apoia.

Em resumo, por falta de uma diretriz sobre a indústria que queremos, tem gente que está dizendo que a época da indústria acabou, que esse tipo de situações só vai aumentar. Não há nenhuma possibilidade de o Brasil ser um país desenvolvido sem sua indústria ser mundialmente competitiva. E isso inclui os custos tributários, que oneram nossa a nossa escala de produção, e provocam essas situações inusitadas. O produto importado entra no Brasil porque é desonerado e, como no caso dos dois países mencionados, o câmbio faz parte das suas estratégias comerciais. E, no nosso caso, juros, custos tributários com sua complexidade, e um câmbio que privilegia a importação e castiga a exportação, fazem nosso produto ser mais caro. E aí, se não houver mudanças, tem sim que haver proteção temporária, para que a indústria possa sobreviver  e voltar investir. E o papel de mediador nesse caso é do governo, o mesmo que não faz reforma tributária. 

 

Lamentavelmente, nessas situações quem ganha é quem tem lobby mais forte e não quem mais está precisando de ter condições para se desenvolver.

Sobre Redação

Veja Também

Coluna Minas Gerais 19/01/2018

COLUNA MG Rede de Notícias do Sindijori MG www.sindijorimg.com.br   Movimento separatista iniciado no Sul ...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *